Mantra e Japa

Há alguns meses atrás, na ocasião do Dharma Mahácakra [grande congregação espiritual] em Madras, eu disse que mantra e encantação (mantramantrajapa) não são a mesma coisa. Como não existe nenhum sinónimo para a palavra em Inglês ou Latim, estou limitado a usar a palavra “encantação”. Da mesma forma, as duas palavras, diiksá e “iniciação” não têm significados idênticos. No entanto, como não existe uma palavra mais apropriada quer em Inglês quer em Latim, sou obrigado a usar ta palavra “iniciação” para diiksá. A palavra diiksá tem um significado profundo. No Tantra é dito sobre diiksá 

Diipajinánam yato dadyát kuryát pápa ksayam tato,
Tasmát diikseti sá proktá sarva tantrasya sammatá.

[O processo que produz a capacidade de realizar o significado interno do mantra e e que acelera a vivência dos samskáras, ou impulsos reactivos, é chamado diiksá.]

Diiksá é composto por diikśa. No género feminino, adicionando o sufixo á, torna-se diiksá.

O que é diipajinánaḿ? Mesmo que uma pessoa saiba o caminho, se não tiver uma lanterna ou tocha com ela, então irá encontrar dificuldades para se movimentar adequadamente na escuridão.
Continuar a ler

A necessidade da prática intuitiva

A prática intuitiva (sádhaná) tem de ser aprendida a partir de um grande mestre (sadguru), e a emancipação é obtida pela sua prática sistemática. Nada pode ser conseguido meramente dependendo do mestre sem a realização da prática intuitiva (sádhaná). Todos devem realizar prática intuitiva. A emancipação não é possível sem ela.

Algumas pessoas têm a impressão errada de que não têm de fazer um esforço e que vão atingir a emancipação devido à graça do mestre. É verdade que a libertação não é possível sem a bondade do grande mestre mas estão enganadas se pensam que a libertação pode ser obtida sem esforço. Cada um tem que merecer a bondade e só então a libertação lhe será concedida. Nunca é oferecida a um discípulo que não merece. Para merecer a graça do sadguru cada um tem que seguir o sistema de prática intuitiva com devoção e fé, e não assumir que o grande mestre dará livremente tudo sem qualquer esforço por parte do discípulo.

Outras pessoas pensam que uma vez que são os discípulos de um grande mestre e como o sadguru veio para elevar os “caídos”, o mestre irá
Continuar a ler

Utiliza-te da forma mais apropriada para atingir Deus

Existe um famoso verso nos Upanishads que diz que é impossível alcançar Parama Purusa [Consciência Suprema] a menos que sejas forte e cheio de energia. A palavra bala significa a força espiritual que funciona na base de um jiiva [ser vivo]. Em termos comuns, no entanto, bala significa ‘capacidade’. Depende de até que ponto alguém faz uso da sua energia física, psíquica ou espiritual. Uma pessoa pode ter imensa capacidade, mas se não a utilizar, então não se torna útil para a realização de Deus. Bala, então, depende da utilização da capacidade que cada um tem.

[No história épica Indiana] Quando a ponte divina foi construída por Rama para atravessar o oceano, Hanuman carregava montanhas, mas o esquilo levava apenas pequenas pedrinhas. Ambos eram fortes e cheios de energia, pois ambos trabalhavam ao máximo das suas capacidades.

Assim, mesmo uma pessoa comparativamente fraca
Continuar a ler

Satsaunga

Até um vaso de ouro precisa de um polimento de vez em quando. Se não for cuidado, acumula pó e sujidade e perde o seu brilho. Da mesma forma, mesmo uma boa pessoa ou um sádhaka[praticante espiritual] precisa de um cuidado especial, pois num mundo que está em constante mudança, deve ser dada atenção para que esse mudança seja sempre orientada para o melhor e mais elevado. Manter boas companhias é essencial para este desenvolvimento positivo. Enquanto que as más companhias fortalecem as amarras da alma, a boa companhia leva à libertação e salvação. Esta boa companhia que nos guia à libertação é designada de satsaunga em Sânscrito. Quando se segue satsaunga, seja fisicamente, mentalmente, ou ambas, a mente
Continuar a ler

Microvitum e os seus efeitos no corpo e mente humana

O tópico do discurso de hoje é “Microvitum e os seus efeitos no corpo e mente humana.”

Como sabem, microvitum move-se através de inferências, sendo que a diferença fundamental entre microvitum positivo e negativo é o facto de microvitum de carácter positivo começar a sua jornada no plexo lunar e mover-se em ambos sentidos – em direcção à existência mais subtil do espirito humano e também em direcção às emanações ou manifestações mais densas da existência humana enquanto que microvitum negativo não podem elevar-se acima do plexo físico-psíquico (5º cackra) e só se pode mover para baixo. Somente de modo indirecto é
Continuar a ler